02/12/2023 às 07h11min - Atualizada em 02/12/2023 às 07h33min

Combate ao Aedes aegypti: Saúde de SP intensifica alertas contra chikungunya

Na Semana Estadual de Mobilização Social contra o mosquito, governo alerta para aumento de casos e de mortes

https://www.saopaulo.sp.gov.br/ultimas-noticias/combate-ao-aedes-aegypti-saude-de-sp-intensifica-alertas-contra-chikungunya/
Governo do Estado de São Paulo

Entre as três doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, a chikungunya é a que se destaca por causar dores intensas capazes, inclusive, de gerar incapacidade por um período prolongado. Em diversas situações, pacientes infectados descrevem desconfortos em todo o corpo, podendo desenvolver complicações crônicas que se assemelham às doenças reumáticas.

Nesta Semana Estadual de Mobilização Social contra o Aedes aegypti, a Secretaria de Estado da Saúde alerta a população a procurar assistência médica imediatamente após o aparecimento de sintomas como febre, dores no corpo ou manchas avermelhadas para prevenir possíveis complicações.

Até o dia 1º de dezembro, o estado de São Paulo registrou 2.167 casos confirmados de chikungunya, contra 893 no mesmo período de 2022, o que representa um aumento de 142%. No mesmo período, 12 pessoas morreram pela doença. No ano passado, não houve óbito.

Entre as principais formas de prevenção para eliminar criadouros do mosquito transmissor da doença estão: manter ambientes livres de acúmulo de água, usar inseticidas em locais estratégicos para reduzir a população de mosquitos adultos e monitorar de forma regular áreas propensas à proliferação do mosquito.

‘Chikungunya é muito pior que dengue’
“Eu não conseguia tomar banho porque sentia dor com a água do chuveiro caindo no corpo. Também sofria para escovar os dentes, porque doía a minha mandíbula. Andava pela casa me arrastando porque as tiras do chinelo também machucavam. A dor era em todos os lugares que vocês podem imaginar, a ponto de ir ao banheiro e não conseguir levantar sozinha do vaso”, relata Débora Alves, de 63 anos.

A enfermeira, que mora na Baixada Santista, foi diagnosticada com chikungunya em janeiro de 2020, cerca de dez dias após o início do primeiro sintoma que foi febre: “No começo parecia que eu estava com gripe”, contou. Da confirmação da doença ao término das dores foram cinco meses corridos. O acompanhamento foi feito por um médico reumatologista, que iniciou um tratamento medicamentoso.

“Eu tive dengue três vezes. A chikungunya é muito pior porque os sintomas demoram a passar. A gente tem que ter cuidado porque todo mundo acha que não vai acontecer na nossa casa, mas acontece e esse tipo de doença mata”, disse Débora.

Além das dores nas articulações e febre, pacientes infectados por chikungunya podem apresentar dores de cabeça, manchas avermelhadas pelo corpo e fadiga. A professora Mariana Pereira, de 39 anos, que mora em Presidente Prudente, apresentou os primeiros sintomas em fevereiro de 2021, no verão, período em que aumenta o risco de proliferação do Aedes aegypti.

“Eu e a minha mãe tivemos juntas. Foi bem sacrificante. No início tivemos muitas dores no corpo, nas articulações, cansaço e febre, mas conforme o tempo passava as dores só aumentavam e ficava bem difícil para andar, sentar ou levantar. Nós não ficamos com nenhuma sequela porque conseguimos fazer repouso e tomamos os remédios, mas mesmo assim demoramos 4 meses para ficarmos boas”, lembrou.

Siga o canal “Governo de São Paulo” no WhatsApp:
https://bit.ly/govspnozap

O post Combate ao Aedes aegypti: Saúde de SP intensifica alertas contra chikungunya apareceu primeiro em Governo do Estado de São Paulo.



Fonte: www.saopaulo.sp.gov.br

Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Notícias Relacionadas »
© 2024 Sala da Notícia - Todos os direitos reservados.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp