26/11/2020 às 13h54min - Atualizada em 27/11/2020 às 00h00min

Lançamento dos livros vencedores do Prêmio Maraã 2019

www.SalaDaNoticia.com.br
SALA DA NOTÍCIA Gazeta da Semana

Para participar, é só entrar neste site e "retirar um ingresso", que receberá um link por email no dia
https://www.sympla.com.br/lancamento-dos-livros-vencedores-do-premio-maraa-2019__1066207

A editora Reformatório e a editora Patuá têm a alegria de apresentar obras de estreia de Nathaly Felipe e de Rodrigo Luiz Vianna, vencedores do Prêmio Maraã de Poesia 2019.



SOBRE OS LIVROS:

Poemas dissonantes
A poesia de Nathaly Felipe é comparante e alusiva – tanto no modo ousado, em prol do estranhamento (“Ostranenie”), quanto no modo didático (recorrendo ao “Por exemplo”). Aposta tudo nas imagens, e não faz por menos. Para entrar no jogo, é preciso aceitar que a poesia está inclusive onde a palavra dá um salto (um “pulo / mortal”), onde flerta com a morte (“silêncio”), onde o pulsar da palavra se traduz em “rubro”.
Há uma espécie de energia na angústia que coloca em contato bastante próximo a melancolia de ária (“As notas caem / Como gotas áridas”) e a resoluta pulsão de vida (“colérica a vida”). Embora se alimente da subjetividade, essa exposição das vísceras a excede em muito, e acaba por convergir com o fechamento do sujeito, que passa a se mostrar inscrito na exterioridade da paisagem, determinado por ela (“paisagens passeiam-me”). É verdade que alguma eventual “confissão” diz, quase em prosa, a beleza daquilo que é simples e sem palavra (infans), na sua liberdade de origem; mas a verdade é que, em Poemas dissonantes, o mundo todo parece se subsumir às analogias da imagem.
Dentro de uma tradição em que a poesia é chamada frequentemente a explicar seus fundamentos e sua razão de ser, toda a “ontogênese” do poema (ou do poeta) depende de que o aceitemos pássaro ou peixe, ou ambos (na figura do belo poema “Icária”). Se, em “Gesto”, a mãe “criava peixes” como flores (sendo talvez legado do momento matricial o gesto de “colher peixes”), o pássaro é reivindicado como figura central e igualmente matricial. O pássaro é a vida mínima, o “sinal ínfimo”, uma asa que plana na superfície de seu voo. É o lugar da leveza, embora carregue os hematomas da destruição.
O leitor perceberá que, assim como esse voo de pássaro, a poesia de Nathaly é delicada, dedicada à lógica da asa e do salto. Coloca-se inteira na proximidade anagramática (mais especificamente palindrômica) da “Eva-ave”, para onde confluem a origem, a mulher e o pássaro. Seu voo não se projeta somente no risco do ar, no perigo e no traçado da altura, mas (sendo flutuação de alguma maneira) também se sustenta no líquido, no morno silêncio líquido da vida e da família, numa espécie de simulação de útero.
O líquido pode ser entendido como o elemento do sujeito-fêmea. Criatura desse oceano, a “sirena” mantém em proximidade estrita a experiência da poeta (“pássaro-fêmea”) e seu outro (o “canto da sereia” da poesia). Em outras palavras, ainda neste ponto não se trata de uma contemplação tranquila do real, mas de um ímpeto que assume o próprio risco. Como se o impulso das asas de Ícaro não se consumisse apenas com o calor do sol, mas tivesse paralelo direto com o rosto refletido de Narciso, enfrentando o perigo das coisas que, como espelhos, florescem no cristalino da água (“florescem / espelhos d’água”). Olhar-se é entrar na lógica do “espelho-chaga”, é submeter-se ao “espéculo d’água”, consentir-se “ventre eterno prenhe” e “vazio fundante”. O lugar de “silêncio” que está em jogo nessa teoria poética é, portanto, cálido e ameaçador, “intranquila / lavra” de um estar no mundo, exposto à sensualidade e à violência dos sentidos.  
No idioma secreto, mas ao mesmo tempo muito exposto, que vai se constituindo a partir daí, a “aporia” aparece à poeta como florescência que coroa com seus dilaceramentos o cuidado dos dias – a cesta de flores-peixes que lhe compete.  Recusando o círculo do ovo e da galinha, a poesia propõe deslocar o jogo vicioso do sujeito e do poema (o jogo da origem do sentido), instalando-o mais diretamente no impasse. A pulsão da escrita, por exemplo, substitui o erro da memória (“A poesia só faz”), mas só pode exercer a palavra e o ato aceitando os limites impostos pela domesticação: a palavra está “nascente” e “ausente”, entre a memória e o florescimento, entre o amortecimento e o enlouquecimento (“Vaga”), entre o vago e a vaga.
Com uma tonalidade afetiva próxima da melancolia, a poesia é “eco” de uma vida muda. A vida muda: a homonímia sugeriria não só a vida que se cala, mas a vida que transforma, que busca o movimento. É passarinho, mas quer voar fora da asa.
Analogamente, Poemas dissonantes retoma de forma mais ou menos aberta a memória de uma coleção de imagens e de ritmos: ouvimos a poesia de Orides Fontela, eventualmente de Manoel de Barros, entre outras reminiscências teóricas e literárias. Mas não só do eco vive a poesia de Nathaly Felipe Ferreira Alves. Apesar de seus esgarçamentos, ela se abre resolutamente para o voo.
É no limitar desse gesto, no ímpeto do primeiro livro, que caberia considerá-la.
 
Marcos Siscar




Textos para lembrar de ir à praia

Ao ler os versos de textos para lembrar de ir à praia, livro de estreia de Rodrigo Luiz Pakuslki Vianna, algo nos invade, não sabemos se o mar, se areia, se maresia, se sereia, se pérola, mas de certo somos levados a caminhar por “uma praia que abarca todas/ as ausências que contemos” – praia circular-infinita que oxida a cidade. No oceano de ruínas, é o esqueleto do mar e seus véus de ondas de água-viva que vemos. A paisagem bonita novamente, tocada pela natureza.
Já no primeiro poema nos detemos em versos como: “ando sob fios de alta/ tensão e as aves/ que ali convocam seus descansos”, “a bandeira vermelha anuncia a revolução das marés”. São versos de quem observa as minúcias e as projeta (seu cinema transcendental) na mente do leitor.
Rodrigo também escreve poemas de amor com maestria. Como no belo e sonoro “sol de maio”: “perturbo teu horizonte por um lapso/ para ver surgir no teu rosto meu máximo/ criamos o todo que a perícia perdura/ a circunstância tem vida e espessura/ dedos costuram candura com areia”.
As três seções do livro parecem dissolver os limites entre o corpo e a praia, enxergam a morte da areia mumificada num brinco – e como poeira cósmica que somos, o poeta nos diz que “a areia é um fragmento da areia”.
A música que se repete na concha dos ouvidos é o som dos pés molhados secando na faixa de areia; o silêncio de todo o oceano despedaçando o labirinto. A praia e a cidade: cenários. A praia como extensão da cidade, ambas como extensão do corpo. Definitivamente “as praias irão invadir os arranha-céus” e enfim poderemos assistir “grãos de areia construindo a elipse”, a noite movimentando o desenho do céu, “o início da viagem de cada peixe”.
 
Natália Agra


SOBRE OS AUTORES:


Nathaly Felipe Ferreira Alves nasceu em 1988, em Mauá, São Paulo, onde vive. É doutoranda em Teoria e História Literária pelo IEL/Unicamp, com bolsa concedida pela FAPESP. Possui artigos e ensaios, frutos de seu trabalho de pesquisa, publicados em revistas acadêmicas. Alguns de seus poemas inéditos foram divulgados, em junho de 2020, na revista gueto e em novembro de 2020 na revista mallarmargens. Trabalhou com educação pública por nove anos e acredita em sua potência, mesmo com tantas dificuldades. É uma das ganhadoras do Prêmio Maraã de Poesia 2019, organizado pela editora Reformatório e idealizado por Osório Barbosa. Poemas Dissonantes, coeditado pelas casas editoriais Reformatório e Patuá, é seu livro de estreia.


Rodrigo Luiz Pakulski Vianna em quase quatro décadas já morou em três cidades. Escreve por profissão e prazer, mas de formas diferentes. Ganhador do Prêmio Maraã em 2019, faz parte da turma de 2020 do Curso Livre de Preparação De Escritores (Clipe) – Poesia na Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia. É o criador e produtor do podcast poesia pros ouvidos. É jornalista e professor. Já teve poemas publicados em revistas como a Meteöro Musa rara, além de ter sido destaque na categoria Poesia no Prêmio Palco Habitasul.

Notícias Relacionadas »
© 2021 Sala da Notícia - Todos os direitos reservados.
contato@saladanoticia.com.br