11/04/2024 às 14h08min - Atualizada em 11/04/2024 às 16h45min

Bares e restaurantes seguram repasse de preços aos consumidores pelo terceiro mês consecutivo

No ano, alta acumulada dos insumos é quase três vezes maior do que a registrada no setor

https://abrasel.com.br/noticias/noticias/ipca-repasse-precos/
Lucas Rosa Costa
Foto: Divulgação/ Freepik
Os dados do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de março, divulgados pelo IBGE nesta quarta-feira (10), apontaram que os bares e restaurantes continuam segurando os preços do cardápio, fator que vem impactando a margem de lucro dos estabelecimentos desde janeiro. No último mês, o índice de inflação da alimentação fora do lar foi de 0,35%, enquanto no domicílio foi de 0,59%. Já a variação do índice geral foi de 0,16%. 

Entretanto, no acumulado do ano, a inflação dos bares e restaurantes é quase três vezes menor do que a registrada dentro de casa: o índice de alimentação no domicílio atinge 3,56%, enquanto fora do domicílio está em 1,09%. O índice do setor está, também, abaixo do índice geral no acumulado do ano: 1,42%.

Os dados refletem o esforço do setor em segurar os preços dos cardápios, apesar dos desafios econômicos enfrentados. De acordo com a pesquisa mais recente da Abrasel, 37% dos estabelecimentos não conseguiram reajustar os preços nos últimos 12 meses, mesmo diante da alta no valor dos insumos.

Quanto aos preços de alimentos e bebidas, os principais insumos do setor, houve uma variação de 0,53% em março, enquanto no acumulado do ano está em 2,88%. Os números mostram que os empresários estão buscando equilibrar os custos sem repassar integralmente os aumentos aos consumidores. Ainda segundo a pesquisa da Abrasel, entre os 31% de estabelecimentos que operaram com prejuízo em fevereiro, o terceiro principal fator que influenciou no resultado negativo foi o custo dos alimentos e bebidas.

"No acumulado do ano a diferença está muito grande. Estamos em um momento difícil quanto ao faturamento, principalmente em função da queda do movimento em janeiro. Isso faz com que o empresário aperte as margens para evitar repassar os aumentos ao cardápio. Mas com 40% do setor tendo dívidas em atraso, isso só profunda o problema e põe em risco a sobrevivência das empresas. Precisamos de um plano para resgate de quem está nesta situação, sem ter para onde correr, por isso já encomendamos à FGV um estudo para poder mapear as soluções possíveis o mais rápido possível", diz Paulo Solmucci, presidente-executivo da Abrasel.
Notícias Relacionadas »
© 2024 Sala da Notícia - Todos os direitos reservados.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp